Início Notícias do AM Janeiro Roxo: campanha alerta para conscientização e combate à Hanseníase

Janeiro Roxo: campanha alerta para conscientização e combate à Hanseníase

Considerada a enfermidade mais antiga da humanidade, a hanseníase tem cura, mas ainda representa um problema de saúde pública no Brasil, o qual ocupa a 2ª posição no mundo, ficando atrás apenas da Índia, de acordo com a Organização Mundial da Saúde. Para enfatizar o Dia Mundial de Luta Contra a Hanseníase, celebrado no último domingo do mês, foi criado o Janeiro Roxo, iniciativa que busca melhorar o controle da doença por meio da disseminação de informações especializadas e conscientização da população sobre sua gravidade, bem como a necessidade de diagnóstico e tratamento precoces, contribuindo para a redução do preconceito acerca da doença.

A dermatologista do Hapvida Saúde, Lívia Lima, explica que a hanseníase se manifesta principalmente por meio de lesões na pele e sintomas neurológicos. “A hanseníase é uma doença infectocontagiosa de evolução crônica. O diagnóstico, tratamento e cura dependem de exames minuciosos e quando descoberta tardiamente, pode trazer deformidades e incapacidades físicas”, explica a médica.

A especialista esclarece, ainda, que o atendimento é feito por equipes multiprofissionais e o dermatologista tem um importante papel no diagnóstico e tratamento. “O dermatologista é responsável pela avaliação clínica do paciente, com aplicação de testes de sensibilidade, avaliação e monitoramento da função dos nervos periféricos. É o médico que está apto a fazer uma biópsia ou pedir exames laboratoriais, caso evidencie alguma lesão suspeita no paciente”, destaca Lívia.

Como identificar
A dermatologista pontua alguns sinais comuns para identificar um possível reconhecimento prévio da hanseníase, os quais são:

· Manchas hipocrômicas e esbranquiçadas, avermelhadas ou amarronzadas, em qualquer região do corpo, apresentando perda ou alteração de sensibilidade térmica (ao calor e frio), tátil (ao tato) e à dor, que podem estar principalmente nas extremidades dos membros superiores e inferiores, na face, nas orelhas, no tronco, nas nádegas e nas pernas;
· Áreas com redução dos pelos e do suor;
· Dor e sensação de choque, formigamento, fisgadas e agulhadas ao longo dos nervos dos braços e das pernas;
· Edema de mãos e pés;
· Redução da sensibilidade e/ou da força muscular da face, mãos e pés, devido à inflamação de nervos, que nesses casos podem estar engrossados e doloridos;
· Úlceras de pernas e pés;
· Nódulos, em alguns podendo estar avermelhados e dolorosos;
· Juntas apresentando febre, edemas e dor;
· Entupimento, sangramento, ferida e ressecamento do nariz;
· Olhos ressecados.

Tratamento
De acordo com a dermatologista, o tratamento varia de seis meses a um ano, podendo ser prorrogado ou feita a substituição da medicação em casos especiais. Após a primeira dose da medicação não há mais risco de transmissão durante o tratamento e o paciente pode conviver em meio à sociedade. O paciente pode fazer a administração dos medicamentos em casa e apenas fazer o acompanhamento periódico nas unidades de saúde. O tratamento é eficaz e cura.
Prevenção

A especialista explica que ter hábitos saudáveis, alimentação adequada, evitar o álcool e praticar atividade física associada a condições de higiene, contribuem para dificultar o adoecimento pela Hanseníase.

Além disso, destaca que a melhor forma de prevenção é o diagnóstico precoce e o tratamento adequado, assim como o exame clínico e a indicação de vacina BCG para melhorar a resposta imunológica dos contatos do paciente. Desta forma, a cadeia de transmissão da doença pode ser interrompida.

Avanços
O Amazonas está entre os 10 estados brasileiros com as menores taxas de detecção de casos novos de hanseníase por 100 mil habitantes. A taxa de casos novos no estado é de 10,31, enquanto a taxa nacional é de 13,70, de acordo com dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), do Ministério da Saúde. Essa é a menor taxa registrada pelo Amazonas nos últimos dez anos 10 anos (2009-2018) com dados consolidados pelo Ministério da Saúde.

Na região Norte, o Amazonas também é o estado com a menor taxa. O Pará apresenta 30,44, Acre (15,79), Rondônia (40,63), Roraima (20,16), Amapá (13,41) e Tocantins (109.32). De acordo com o Boletim Epidemiológico de Hanseníase mais recente do Ministério da Saúde, nos últimos três anos foram registrados 1.333 casos da doença no Amazonas.

Em 2018, o Ministério da Saúde registrou 425 novos casos; em 2017, foram 460. Em 2019, até primeira quinzena de dezembro, o Sinan detectou no Amazonas 401 casos novos de hanseníase, o que representa uma redução de 12%, nos últimos três anos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

LEIA TAMBÉM

 5 vítimas da matança em uma residência no Nova Cidade foram velada em uma...

Momentos de dor e desespero tomaram conta, na tarde deste domingo (17), do velório das cinco pessoas mortas na chacina ocorrida na noite deste...

 Impeachment do Ministro que ama soltar bandidos esta pronto para ser encaminhado ao senado

O advogado Modesto Carvalhosa afirmou nesta quinta-feira, 7, que vai ingressar no Senado com pedido de impeachment contra o ministro Gilmar Mendes (conhecido como papai noel dos bandidos), do Supremo Tribunal Federal,...

 Platiny faz homenagem a Projeto de Inclusão Social do TCE e ADEFA

AMAZONAS - Autor da Sessão Especial em homenagem ao Projeto de Inclusão Social de parceria da Associação de Deficientes Físicos do Amazonas (ADEFA) e...

´Cem por cento só confio no meu pai e na minha mãe`, diz Bolsonaro...

O presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira que o ministro extraordinário da transição, Onyx Lorenzoni, é a melhor pessoa para responder sobre a suspeita de que...

¨Confira os detalhes na imagem do apto de pobre do petralha¨- Lula (O Honesto)

BRASIL - Um dos imóveis, um triplex de 215 metros quadrados, pertence à família do ex-presidente Lula. O empreendimento conta com três quartos, cinco banheiros,...
.