Os 701 lugares do Teatro Amazonas, distribuídos entre plateia e os três andares de camarotes, foram totalmente ocupados pelo público amazonense e turistas que compareceram ontem (sábado, 06/07) para assistir “From Vienna to Manaus with Love” (“De Viena para Manaus, com Amor”), um concerto especial no formato vaudeville (espetáculo de variedades) concebido pelo maestro austríaco Konstantin Schenk e pela soprano austríaca Tamara Trojani, e que teve o apoio do Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Cultura (SEC).

“De Viena para Manaus, com Amor”, apresentou um programa eclético, com algumas das composições eruditas mais conhecidas do público brasileiro, dentre elas a ária “Um Bel Di”, da ópera “Madame Butterfly”, de Giacomo Puccini; a valsa “Danúbio Azul”, de Johann Strauss; e a peça ítalo-húngara de inspiração cigana “Czardas”, de Vittorio Monti, entre outras.

Na segunda parte do programa, o concerto apresentou uma sequência de canções populares italianas e até uma versão em alemão de um sucesso da disco music dos anos 80 da cantora norte-americana Gloria Gaynor, “I Am What I Am”, o que levou ao público ao delírio.

Interação – O maestro Konstantin Schenk, que regeu a Amazonas Filarmônica, e a soprano Tamara Trojani, desde as suas respectivas primeiras aparições em cena, demonstraram não só domínio de palco e afinidade entre ambos, mas, sobretudo, interação com a plateia, falando ora em português e espanhol, ora em inglês e alemão. A falta de domínio na língua portuguesa não foi empecilho para os dois artistas se comunicarem com efetividade com o público, tanto que a noite transcorreu entre aplausos de emoção e risadas com as divertidas histórias que a dupla contava antes da execução de cada peça musical.

Schenk até orientou a plateia a formar um coro improvisado durante dois trechos do espetáculo e a colaborar com a percussão por meio de palmas, fazendo o público se divertir ao longo de mais de duas horas de apresentação, mostrando que a música erudita pode ser um entretenimento para pessoas de todas as idades.

“Trabalhamos há muito tempo juntos fazendo concertos clássicos, mas que também levam um pouco de diversão e sempre fazemos para um grande público. Não acreditamos que a música seja para elites. No concerto, eu tento sempre falar com a audiência para que eles sintam a música. O repertório é uma mistura de tudo que amamos na música”, resumiu o maestro sobre a característica diferente de suas apresentações.

A reação do público foi positiva. A estudante universitária Angelica Rendon, de 19 anos, disse que esta é a terceira vez que teve oportunidade de assistir a espetáculos oferecidos pela SEC. “Eu já assisti a um recital de piano, uma ópera e agora este concerto. Eu gostei porque eles souberam interagir com o público”.

O analista de recursos humanos Alexander Colmenares, de 34 anos, também saiu feliz do teatro. “Eu gostei de tudo: da música, das roupas da cantora e, especialmente, a espontaneidade deles, porque, apesar de não falarem o idioma, eles se comunicavam muito bem com o público. Gostei também porque depois de 20 anos eles lembraram de Manaus e voltaram para se apresentar aqui”, comentou.

Sonho – A dupla explicou que veio pela primeira vez ao Brasil há quase 20 anos, passando por algumas capitais brasileiras, dentre elas Manaus, onde visitaram o Teatro Amazonas e se encantaram com a bela da casa de ópera amazonense. “Eu disse que um dia eu voltaria aqui, mas não mais como turista e sim para cantar”, comentou Tamara durante um dos trechos do espetáculo.

Konstantinn Schenk é formado na Academia de Música de Viena e já regeu em diversos países. Tamara Trojani, que também se formou no Conservatório de Viena, fez carreira na Itália, onde conheceu o maestro Schenk em uma apresentação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here