O Vasco promoveu, na última quinta-feira, a demissão dos professores do colégio que fica dentro do Complexo Esportivo de São Januário – de acordo com professores ouvidos pelo LANCE!, com cinco folhas pendentes a receberem. O Grupo GPI, com quem o clube assinou contrato no início do segundo semestre do ano passado, assumirá a totalidade da gestão com a contratação e recontratação de professores, em ano letivo que começa na próxima segunda-feira.

LANCE! conversou com um destes professores, que pediu para não ser identificado. De acordo com ele, as condições de trabalho nunca foram as melhores. A infraestrutura, segundo ele, pecava em vários aspectos, mas mesmo assim o trabalho não parava. Nomes como Philippe Coutinho, Alex Teixeira, Alan Kardec e Paulinho, crias das categorias de base do Vasco e hoje em dia em clubes da Europa, são alguns dos jogadores que estudaram e se formaram pela escola.

No depoimento dado para a reportagem, o profissional afirmou que os professores ao fim de 2018 entraram em férias e em janeiro de 2019 fomos surpreendidos – inicialmente foi solicitado que alguns professores, em pleno gozo das férias, fossem ao clube para assinar seu desligamento. Outros foram convidados pelo GPI para uma reunião onde fora proposto que eles seriam demitidos pelo Vasco e contratados e reaproveitados pelo GPI sob regime de MEI (Microempreendedor Individual), com um valor de hora aula inferior – de acordo com os professores, de R$ 29 para R$ 19.

Os atrasos de salário no Vasco sempre foram regulares. Dezembro, 13º e férias de 2017 e 2018 mais o não depósito do FGTS ainda estão em débito conosco. Essa situação levou a alguns colegas a situação de extrema dificuldade financeira, havendo inclusive campanha de doações de cestas básicas por parte de terceiros. E mesmo em tais condições o colégio nunca deixou de ter aulas, cumprindo todos os dias letivos exigidos por lei – desabafou o profissional, completando:

– No mais o Vasco já entregou os encaminhamentos dos exames demissionais. Não preciso informar que uma mudança radical dessa afeta sobretudo a qualidade de ensino para os alunos pois há uma ruptura de projetos pedagógicos pensados a longo prazo. O Colégio foi criado em 2004 na gestão Eurico Miranda com o objetivo de atender aos atletas da base. Lá eles recebem lanche, uniforme, material didático, acompanhamento psicológico, odontológico e social. Os professores de até então eram de ótimo currículo. Grande parte deles pós-graduados e alguns com mestrado e outros com vivência internacional. Há professores desde da fundação da escola.

Em nota oficial divulgada no fim da tarde desta terça-feira, o Vasco informou que “o Grupo GPI assumiu, no ano passado, a gestão do Colégio Vasco da Gama. A seleção do corpo docente e dos demais colaboradores passou a ser de responsabilidade do GPI, a partir de avaliações criteriosas e regulares dos profissionais que visam a garantia da qualidade do ensino. Como prevê o acordo, o Grupo está realizando gradativamente a contratação dos professores selecionados, inclusive com a possibilidade de que muitos deles trabalhem em outras unidades educacionais do GPI”.

Ainda no comunicado oficial, o Vasco informou que “com relação às obrigações trabalhistas dos profissionais até então vinculados ao Clube, o Vasco, como não poderia deixar de ser, honrará todos os compromissos. O Clube tem convocado cada um deles com vistas a efetivar o processo de rescisão, quando for o caso. Fundado em 2004, o Colégio Vasco da Gama, cujo novo ano letivo se iniciará na próxima segunda-feira, é um orgulho de todos os vascaínos e prioridade da gestão”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here