“Quem anda de carro e usa gasolina não é pobre”. Esta foi a justifica do secretário do Tesouro do governo Temer, Mansueto Almeida, para justificar a razão de não reduzir a tributação que incide sobre a gasolina, cujo o preço continua a subir vertiginosamente nas bombas.

Há cada dia mais postos cobrando preços superiores a R$ 5 e, nesta semana, a ANP (Agência Nacional do Petróleo) chegou a encontrar o litro da gasolina vendido a R$ 6,29.

A equipe econômica de Temer informou nesta sexta-feira (21) que está com uma folga orçamentária de R$ 8,224 bilhões neste ano mas que não considera usar parte dos recursos para reduzir a tributação que incide sobre a gasolina, cujo o preço avança nas bombas.

Embora o litro do combustível tenha ultrapassado R$ 5 em São Paulo, marca já superada também em outras regiões do país, técnicos do governo afirmam que reduzir os tributos sobre o combustível não ajudaria os mais pobres. “Quem anda de carro e usa gasolina não é pobre”, disse Almeida.

“Países que têm políticas que beneficiam mais os pobres têm educação universal pública, tributação progressiva, não dão subsídio para combustível. Quando olhamos países que admiramos, a gasolina é muito cara.

Se formos subsidiar [algum produto], devemos subsidiar serviços mais direcionados aos pobres, não a gasolina”, completou o secretário, sem explicar a contradição entre seu discurso e o fato o governo Temer cortar todos os gastos sociais do país.

Leia mais aqui em reportagem da jornalista Mariana Carneiro na Folha de S.Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here