Serginho Chulapa foi internado após agredir esposa e ser empurrado por ela, diz Polícia Civil

Serginho Chulapa, ex-jogador do Santos Futebol Clube e da Seleção Brasileira, bateu a cabeça e quebrou o braço direito após agredir a esposa e ser empurrado por ela, em Santos, no litoral de São Paulo. A informação foi confirmada neste sábado (15) pela Polícia Civil. Ao g1, o ex-atleta negou as acusações e afirmou ter caído sozinho por conta de problemas no fêmur e na coluna.

A Polícia Militar informou ter sido acionada para uma ocorrência de violência doméstica no prédio onde o casal mora, na terça-feira (11). Eles foram levados à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Zona Leste. Em seguida, a mulher foi liberada e Chulapa foi encaminhado à Casa de Saúde, recebendo alta na quinta-feira (13).

Conforme apurado pelo g1 junto à Polícia Civil, o ex-jogador, de 70 anos, ficou nervoso após discutir com o filho em um bar e acabou se desentendo com a esposa, Kátia Christina, de 48, na entrada do prédio onde moram.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP-SP), Chulapa agrediu a mulher após a discussão. Kátia, por sua vez, empurrou o marido, que caiu no chão. Por conta da queda, ainda segundo a pasta, ele quebrou o braço direito e bateu a cabeça.

Ao ser questionado sobre a causa da queda, Chulapa negou que as agressões mútuas. “Isso aí é história […]. Se fosse agressão não tinha saído alguém na cadeia? Não tem nada a ver. Eu não sou desses e ela não é dessas”, afirmou.

Kátia acrescentou que está junto com Chulapa há 25 anos. “Não procede. Graças a Deus, a gente está bem. Temos filhos e netos. Não existe isso, estou até chateada agora com isso […]. A gente não tem uma relação, a gente tem uma história”, complementou ela.

O advogado do casal compareceu à Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) da cidade e informou que Chulapa e Kátia não vão dar continuidade na representação criminal. Apesar disso, o caso foi registrado como violência doméstica, lesão corporal e ameaça, sendo investigado por meio de um inquérito policial.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui